PABX: (81) 3797.2517 – FAX: (xx81) 3797.2514

EXPEDIENTE:

Seg. a Qui.: 08h às 17h
Sex: 08h às 14h

Até 31/1 a anuidade pode ser paga com 15% de desconto

Em 31 de janeiro vence a primeira parcela da anuidade de 2020, mas quem quitar em único pagamento terá desconto de 15%. Para saldar o pagamento até o final fevereiro o desconto será de 10%; e até o final de março, 5% de dedução. Para os que vão parcelar, o pagamento poderá ser realizado em cinco vezes iguais e sucessivas, vencendo a primeira em 31 de janeiro e a quinta em 31 de maio.

O valor da anuidade de pessoa física e de microempreendedor individual será de R$ 526,73. Já a de pessoa jurídica será cobrada de acordo com as classes de capital social. De acordo com a Resolução CFMV nº 1.289, de 17 de setembro de 2019, os pagamentos efetuados após 31 de maio de 2019 sofrerão os acréscimos previstos no artigo 3º da Resolução CFMV nº 867/2007, com multa de 10%, juros de 1% ao mês e correção monetária pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Taxas

A Resolução 1.289/2019 também estabelece os valores das taxas e emolumentos para o ano de 2020, que também mantém os valores, incluindo a inscrição de pessoa física, definida em R$ 74,36, e de registro de pessoa jurídica, em R$ 221,02. Outros valores previstos no texto são o de expedição de Cédula de Identidade Profissional (R$ 74,36); substituição ou 2ª via de cédula (R$ 118,77); certificado de regularidade (R$ 83,00); registo de título de especialista (R$ 138,40); anotação de responsabilidade técnica (R$ 136,33); e de renovação de responsabilidade técnica (R$ 103,28).

Assessoria de Comunicação do CFMV

 

O CFMV pede ao CRMV-AM a ABERTURA IMEDIATA de processo ético contra o profissional preso em flagrante no caso da rinha de cães em Mairiporã (SP)

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) enviou ao Conselho Regional de Medicina Veterinária do estado do Amazonas (CRMV-AM) ofício recomendando a ABERTURA IMEDIATA de processo ético-disciplinar contra o médico-veterinário preso em flagrante no caso da rinha de cães, no último sábado (14), no município de Mairiporã (SP).

O CFMV é contra qualquer tipo de abuso, maus-tratos e crueldade contra animais e atua para que profissionais não permitam, participem ou pratiquem esse tipo de crime (Lei Federal nº 9.605/1998).

A Resolução do CFMV nº 1.236/2018 afirma que o profissional que comete ou é conivente com atos de crueldade, abuso e maus-tratos aos animais deve responder por falta ética-profissional. A norma deixa claro o dever do médico-veterinário: prevenir e evitar quaisquer desses atos.

Além disso, o Código de Ética do Médico Veterinário (Resolução-CFMV nº 1138/2016, art. 8º, incisos V e XX), afirma que é vedado ao profissional “praticar atos que a lei defina como crime ou contravenção e praticar ou permitir que se pratiquem atos de crueldade para com os animais nas atividades de produção, pesquisa, esportivas, culturais, artísticas, ou de qualquer outra natureza”.

Por que o CFMV usou o termo “suspeito” para se referir ao médico-veterinário preso no local do crime?

Como o caso ainda não foi julgado pela Justiça, mesmo o profissional sendo preso no local do crime, devemos seguir os passos da lei. De acordo com a legislação brasileira (Constituição Federal, artigo 5º, inciso LV), todo acusado tem direito ao devido processo legal, à ampla defesa e ao contraditório. Por isso, é necessário aguardar o julgamento.

O CFMV é uma autarquia federal e atua como tribunal ético de segunda instância. O médico-veterinário encontrado no local do crime está inscrito no Conselho Regional de Medicina Veterinária do Amazonas, jurisdição responsável pela abertura de processo ético-disciplinar para investigar o caso.

O Sistema CFMV/CRMVs pode cassar o registro de um profissional? 

Sim. A lei e as resoluções do Sistema CFMV/CRMVs possibilitam a cassação do registro do profissional.

O Sistema CFMV/CRMVs pode prender o médico-veterinário? 

Não. O Sistema CFMV/CRMVs fiscaliza e normatiza o exercício dos profissionais da Medicina Veterinária e da Zootecnia e pode julgar apenas na esfera ético-profissional. A Justiça é a responsável por julgar na esfera penal.

Nota de repúdio à Portaria 2117 do Ministério da Educação

O Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE), em nome dos seus dirigentes e das classes profissionais que representa – Medicina Veterinária e Zootecnia –, vem manifestar publicamente o seu repúdio à Portaria 2117 do Ministério da Educação (MEC), publicada em 6 de dezembro de 2019, que permite que os cursos presenciais tenham até 40% das aulas realizadas na modalidade EAD, de Ensino a Distância.

Como se não bastasse a situação precária do ensino no Brasil, com abertura indiscriminada de novos cursos de nível superior, muitos sem a mínima condição de oferecer um ensino digno, nos deparamos agora com o ensino a distância. É fato que as novas tecnologias tornaram as distâncias menores, permitindo a troca de informações em tempo real, porém o ensino a distância não pode ser utilizado de forma indiscriminada, desrespeitando princípios básicos do aprendizado. A presença do professor, o contato com o objeto de estudo e o desenvolvimento de habilidades são premissas extremamente importantes para serem desprezadas.

Em especial para os cursos da área de saúde, onde o contato direto com pacientes (humanos ou animais), a vivência in loco com situações reais e o treinamento nas mais diversas disciplinas fornecem a base para a formação de um profissional confiante e capacitado.

Nesse contexto, a Medicina Veterinária, que é um dos alicerces da saúde única (a que envolve a saúde humana, animal e ambiental), sofre um enorme golpe na capacidade de formar bons profissionais. O Médico Veterinário tem uma forte ligação com a saúde pública, pois realiza o combate às zoonoses, fiscaliza a qualidade dos alimentos de origem animal, faz a vigilância sanitária, entre outras atividades que protegem a saúde dos cidadãos, sendo assim, é inadmissível que seja realizado o preenchimento de carga horária através do ensino a distância.

O uso de carga horária EAD nos cursos de graduação presencial, principalmente, na área de saúde, sendo este instituído através de ato administrativo, impedindo um debate aprofundado com a sociedade e com a comunidade acadêmica, poderá trazer prejuízos incalculáveis ao ensino. Salientamos, ainda, a caracterização de possíveis elementos de ilegalidade e de inconstitucionalidade.

Em razão do exposto acima, conclamamos toda a sociedade e instituições para, juntos, rechaçarmos a liberação do EAD nos cursos da área de saúde no nosso País.

 

Recife, 12 de dezembro de 2019.

Marcelo Weinstein Teixeira

Presidente do CRMV/PE

CRMV/PE nº 1874

A partir de 20 de dezembro, a ART será emitida exclusivamente de forma eletrônica

Com o objetivo de modernizar e dar mais transparência os serviços prestados pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE), a partir do dia 20 de dezembro só serão aceitos formulários de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) emitidos de forma eletrônica, tanto na anotação, renovação ou baixa do documento. A ferramenta, implantada há algum tempo pelo Sistema CFMV/CRMVs, veio para facilitar procedimentos importantes, dando agilidade ao tempo de homologação e emissão da ART, e permitindo ainda a impressão do documento de qualquer lugar. É mais conforto, segurança e rapidez para os profissionais.

Vale ressaltar que toda prestação de serviço que seja passível de ação do médico veterinário ou do zootecnista exige a ART. Trata-se do registro do profissional que responde técnica, ética e legalmente pelas atividades desenvolvidas por determinada empresa. O objetivo é assegurar à sociedade que os serviços prestados pelos estabelecimentos são realizados e supervisionados por um profissional habilitado, garantindo segurança técnica e jurídica.

ART-e

É muito mais rápido e prático homologar, renovar ou dar baixa na ART-eletrônica. Para realizar alguma dessas operações, o profissional, capacitado e devidamente habilitado, só precisa acessar o Sistema de Gestão de ART-e via SISCAD (https://siscad.cfmv.gov.br/usuario/login) com seu login e senha ou o novo aplicativo do Sistema CFMV/CRMVs disponível para download nas lojas oficiais da Google Play (Android) e da App Store (iOS) e preencher todos os campos com atenção. Todo o processo será online, sem a necessidade de nenhum procedimento presencial. Com isso, a impressão e o envio do formulário ao CRMV-PE ficam dispensados.

Com a ferramenta, um processo de ART que durava, em média, de 15 a 30 dias, agora passa a ser homologado em dois dias úteis. Como está integrada ao Siscad, a ART-e cruza os dados dos profissionais com os dos estabelecimentos e verifica eletronicamente se os critérios estão em conformidade para a concessão da anotação.

Ao final do pedido, se tudo estiver dentro das exigências, o profissional já gera o boleto para pagamento e, após o prazo de dois dias úteis necessários para a compensação da taxa, o registro está concluído. Um motivo a mais para que os profissionais e as empresas mantenham os cadastros atualizados no Siscad.

Antes da solução digital, os profissionais precisavam ir pessoalmente ao Conselho, levar toda a documentação em papel, aguardar a análise da papelada e, posteriormente, voltar para assinar o contrato.

Importante!

Com a implantação do Sistema de Gestão da ART-e, tanto a ART presencial quanto a ART por Correios (envio de correspondência) somente serão aceitas até o dia 20 de dezembro de 2019.

Caso ainda surjam dificuldades nessa fase de adaptação, há vídeos com tutoriais, disponibilizados pelo Sistema CFMV/CRMVs, que mostram o passo a passo do processo. Mesmo assim, se ainda restarem dúvidas, o setor de atendimento do CRMV-PE estará à disposição para prestar as orientações necessárias através do telefone (81). 3797.2517.

Saiba mais

As atividades da Medicina Veterinária e Zootecnia sujeitas à Anotação de Responsabilidade Técnica estão previstas nos artigos 5º e 6º da Lei nº 5.517/68, artigo 3º da Lei nº 5.550/68 e Resolução nº 287/1998, do Conselho Nacional de Saúde.

Clique aqui para baixar o manual de ART eletrônica

Confira tutoriais sobre a emissão da ART eletrônica:

Vídeo 1

Vídeo 2

Vídeo 3

CFMV lança aplicativo e facilita acesso aos serviços digitais para profissionais e sociedade

Com o compromisso “Inovação e Transparência”, a atual gestão do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) vem investindo em tecnologia da informação desde que assumiu a autarquia e agora lança a versão web do Sistema de Cadastro de Profissionais e Empresas (Siscad Web) totalmente adaptado e acessível para dispositivos móveis, como smartphones e tablets, e com a funcionalidade de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) integrada.

Além de correções de infraestrutura e melhorias de rotinas de segurança, a solução web permite que médicos-veterinários, zootecnistas, empresas e sociedade acessem os serviços digitais do Sistema CFMV/CRMVs pelo celular, contando com a facilidade do aplicativo (app) disponível para download nas lojas oficiais da Google Play (Android) e da App Store (iOS).

“Desenvolvemos uma solução digital de gestão integrada, com elevados requisitos de segurança, integridade, inviolabilidade e confiabilidade, que facilite a identificação e o atendimento aos profissionais, visando fortalecer a imagem institucional e o posicionamento do CFMV perante a sociedade”, afirma o presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti.

Com navegação intuitiva e simplificada, o aplicativo possui duas áreas de acesso. A de utilidade pública está disponível para toda a sociedade e permite consultar os médicos-veterinários e os zootecnistas inscritos no Sistema CFMV/CRMVs, bem como as empresas registradas e o responsável técnico. Ainda possibilita emitir e validar certidão, pesquisar legislações relacionadas às profissões, e acessar as redes sociais do Conselho Federal.

Profissionais e empresas

Junto com o aplicativo, a área restrita aos profissionais e empresas ganha duas funcionalidades: a inclusão de geolocalização e a opção de gerar e imprimir boletos. No espaço privado, o profissional ainda visualiza e atualiza as informações de cadastro, de formação e de área de atuação. Também verifica suas inscrições primária e secundárias, as pendências financeiras e emite certidão negativa.

“Os profissionais agora têm nas mãos uma ferramenta ágil para atualizar constantemente seus dados e acessar serviços apenas usando um smartphone”, diz o presidente.

O ambiente reservado está disponível para profissionais e empresas cadastrados nos CRMVs, com exceção de Minas Gerais, que usa aplicação própria e não está integrada ao sistema do Conselho Federal.

Nova ART

A versão mobile também chega para agilizar processos de Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). Com o aplicativo, o profissional tem condições de gerenciar suas ARTs pelo celular, verificar validade, emitir ficha e boleto. Ainda pode iniciar uma nova ART, que será avaliada pelo CRMV, preenchendo os dados e seguindo o passo a passo até aceitar os termos da Resolução nº 1.228/2018.

Cada ficha de ART terá um código QR Code com criptografia imune à fraude. “Essa codificação vai simplificar a fiscalização dos estabelecimentos, permitindo que qualquer cidadão com um celular na mão verifique se a ART está homologada e a autenticidade dos dados do responsável técnico”, assegura o diretor de Tecnologia da Informação, Marcos Paulo Del Fiaco.

Assessoria de Comunicação do CFMV

Laboratórios sugerem melhorias à estratégia de controle da anemia infecciosa equina e do mormo

Representantes da Rede Nacional de Laboratórios Credenciados no Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos (PNSE) realizaram o Primeiro Workshop sobre anemia infecciosa equina (AIE) e mormo, no Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), na sexta-feira (29). “Queremos os laboratórios unidos nos mesmos objetivos e propósitos. Que seja só o início das discussões para gerar um documento formal que será apresentado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em relação à responsabilidade técnica, à fiscalização e ao prazo dos exames laboratoriais”, disse a médica-veterinária da Rede e coordenadora do evento, Glaucia Dias.

29/11/2019 - Workshop AIE e MORMO Sanidade 4.0 – Sede do CFMV
Clique na imagem e acesse o álbum de fotos do evento disponível no Flickr

O mormo é uma enfermidade infecciosa, zoonótica (que passa do animal para o homem) e de notificação obrigatória, segundo a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Após sua reemergência no Brasil, tem sido notificado em praticamente todo território nacional. A estratégia de controle instituída pelo Mapa envolve a vigilância, com teste dos animais para controle de trânsito e de eventos de aglomeração de equídeos, bem como a interdição das criações afetadas e o saneamento dos focos. Os testes sorológicos são realizados pela Rede de Laboratórios credenciados pelo Mapa, bem como pelos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária (LFDA).

“Não se faz defesa sem diagnóstico e os laboratórios são fundamentais nesse trabalho”, afirmou o presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida. A equideocultura, de acordo com ele, é um dos segmentos de maior importância para a economia brasileira e cresce a cada dia, tanto por conta dos eventos equestres, como dentro das propriedades. “A nossa missão é trabalhar com profissionalismo e ética para garantir a segurança da sanidade desses animais e conscientizar o produtor rural de que somos o diferencial para um plantel sadio e valorizado”, destacou. “Vamos trabalhar, cada vez mais, para merecer da sociedade a credibilidade dos nossos trabalhos e a valorização da Medicina Veterinária e da Zootecnia”, concluiu.

Durante o evento, os 83 profissionais presentes fecharam um documento com sugestões de melhorias ao programa, que devem ser apresentadas ao Mapa, órgão que coordena o PNSE. Para garantir o controle das doenças, o grupo defende o prazo de validade do diagnóstico que, atualmente, é de 60 dias, seguindo a legislação federal. Alguns estados aprovaram leis locais que aumentam esse prazo para 180 dias. Para Rede de Laboratórios isso pode colocar em risco a segurança sanitária dos planteis de cavalos.

“Isso vai acarretar a queda dos diagnósticos, afetar o controle da doença e aumentar o número de casos positivos, o que, certamente, afetará a saúde dos equídeos”, esclarece a médica-veterinária Matilde Mercedes Sheppard Guembes. Ela é responsável técnica de um laboratório credenciado ao Mapa e, ao falar no workshop sobre o panorama da AIE no Brasil, defendeu a lei de que as coletas e o diagnósticos sejam feitos por médicos-veterinários. “Os laboratórios estão se organizando para fazer cumprir a legislação federal, pois alguns parlamentares têm demonstrado interesse de que a colheita de amostra passe a ser realizada pelos sindicatos rurais, contrariando a legislação do Mapa”.

“Uma lei estadual pode ser mais rígida do que a federal, mas não mais flexível. Vamos lutar pelo prazo de 60 dias”, defendeu a médica-veterinária e chefe de gabinete do CFMV, Erivânia Camelo, que já foi presidente da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro), e, por anos, trabalhou diretamente nas campanhas de diagnóstico de mormo no estado.

Também do Pernambuco, o médico-veterinário Roberto Soares de Castro falou sobre o estado da arte das técnicas de diagnóstico de mormo no Brasil. “Ponto nevrálgico para todos, especialmente para quem trabalha com defesa”, segundo o palestrante. Ele trouxe a experiência no processo de validação do kit diagnóstico do método ELISAi e o processo de aperfeiçoamento do western blotting, metodologia empregada como teste confirmatório no diagnóstico da doença.

Para falar do impacto do mormo na saúde pública, o médico-veterinário e presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária do DF, Lauricio Monteiro Cruz fechou a parte das apresentações. “Como zoonose, é preciso que o Sistema Único de Saúde cada vez mais entenda os casos de mormo que estão acontecendo nas propriedades, envolvendo não só os médicos-veterinários, mas os tratadores e os proprietários de cavalos nos setores que movimentam a economia da equideocultura, visando, especialmente, que o equino é um bio indicador para mormo em relação à saúde dos humanos”, finalizou.

Assessoria de Comunicação do CFMV

Pernambuco sedia II Encontro de Compras Eletrônicas – Região Nordeste

Desta segunda (02) até a sexta-feira (06), o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE) sedia o II Encontro de Compras Eletrônicas do Sistema CFMV/CRMVs, que reúne 12 funcionários da área de licitação da Região Nordeste. A ampla programação do encontro é ministrada pela equipe de licitações e compras do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), com o objetivo de compartilhar conhecimentos sobre a legislação vigente e alinhar procedimentos atuais sobre compras públicas.

De acordo com o presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida, esses encontros são importantes para unificar o processo de aquisição de produtos e serviços. “Há uma necessidade dos regionais em receber capacitação e orientação sobre as compras governamentais e nos sensibilizamos quanto a isso. Queremos a aproximação do Sistema para, futuramente, fazermos aquisições em parceria”, afirmou. O presidente do CRMV-PE, Marcelo Teixeira, concorda: “É ótimo trabalharmos em prol da harmonização das rotinas administrativas do Sistema”, disse.

Na programação está prevista a apresentação da legislação aplicável e da jurisprudência atualizada, bem como orientações quanto aos procedimentos das fases interna e externa de contratação. O treinamento ainda envolve a apresentação operacional dos recursos do Comprasnet, portal de licitações e contratações promovidas pelo Governo Federal, utilizado pelo CFMV para os processos eletrônicos de aquisição, modalidade conhecida como pregão eletrônico, desde a habilitação do pregoeiro até um laboratório prático com a simulação de como realizar, desenvolver e concluir um pregão eletrônico.

Os participantes ainda terão treinamento dos procedimentos de outras ferramentas, como o Painel de Preços, que permite fazer pesquisa de preços de mercado; o Catálogo de Materiais e Serviços (CATMAT/CATSER) que auxilia na organização e na padronização dos itens de compras; e o Sicaf, que é o Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores.

“Estamos compartilhando nosso conhecimento para permitir que os regionais possam aderir aos sistemas Siasgnet, dentre eles, o Comprasnet, bem como indicando medidas de boas práticas relativas a todo o procedimento de contratações públicas, desde o planejamento até a gestão de contratos”, destacou o pregoeiro do CFMV, Michel de Lima, um dos responsáveis pelo treinamento, juntamente com os outros dois pregoeiros do Conselho Federal, Francisco Alves Lopes Júnior e Vitor Hugo da Silva Ramos.

Com a palavra, os regionais

Paulo Machado, gerente administrativo do CRMV-PE, afirma que o encontro é bastante enriquecedor. “As informações que estão sendo repassadas são de grande valia para todos nós que somos do setor de licitação. Aliás, são importantes até para quem não é, pois a aplicação desses conhecimentos vai facilitar muito o trabalho de forma geral, principalmente diante das dificuldades do dia a dia. O encontro ainda promove uma maior interação entre os regionais, pois trabalhar num sistema único faz com que a gente se ajude mais”, diz.

Pedro Alves, integrante do Conselho Veterinário do Ceará, concorda sobre o quão gratificante é o CFMV propor esse tipo de capacitação. “A partir de encontros como esse a integração dos regionais só tende a crescer. Eu vejo esse evento como uma oportunidade de padronização dos serviços, uma forma de desenvolvermos cada vez mais a área de compras e licitações dos regionais. Acho bastante válida a ferramenta que o Conselho Federal, nosso órgão de instância superior, está utilizando para formalizar essa padronização. Tão benéfico que espero que a iniciativa se estenda para todas as áreas de atuação do Sistema, o que ajudaria bastante no desenvolvimento dos regionais”, explica.

Para Rafael Farias, integrante da Comissão de Licitação do CRMV-BA desde 2011, o encontro é de suma importância. “Lidamos com algo muito técnico, então temos que estar sempre nos aperfeiçoado, nos capacitando… E os cursos de capacitação na área de licitação são extremamente caros, o que dificulta a qualificação dos profissionais, então essa iniciativa do Federal é muito válida, ainda mais num momento que está em vigor uma resolução que exige a capacitação da comissão de licitação (Resolução 1024). Todos saem ganhando”.

Confira mais fotos do II Encontro de Compras Eletrônicas – Região Nordeste aqui

Assessoria de Comunicação do CRMV-PE com informações do CFMV

 

Pernambuco recebe Simpósio Nordestino de Responsabilidade Técnica Veterinária

Começa nesta quinta-feira, 28 de novembro, a edição 2019 do Simpósio Nordestino de Responsabilidade Técnica Veterinária (SNRT). O evento, que acontece no Centro de Convenções de Pernambuco, até sábado (30), das 12h às 21h, tem missão de promover um debate técnico-científico entre público e palestrantes, atualizando conhecimentos sobre normatização e legislação de áreas ligadas à Medicina Veterinária e Zootecnia. Vale ressaltar que o SNRT 2019 acontece dentro da 3ª edição da Feira Nacional de Produtos e Serviços para a Linha Pet e Animais de Produção (Petnor), sendo o maior encontro do segmento de veterinária e de zootecnia do Norte e Nordeste. Além do SNRT, a Feira Petnor ainda abriga diversos outros eventos (CONEVEPA, CNPA, SNA, SNSP, GROOM NORDESTE e MASTERGROOM), que acontecem simultaneamente ao longo dos três dias de atividades.

Com realização do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE) e apoio do CONRET/CFMV, SIMEVEPE e SPEMVE, o Simpósio Nordestino de Responsabilidade Técnica Veterinária traz em sua programação uma série de palestras com especialistas de diversas áreas da responsabilidade técnica (RT), o que passa por instalações animais de pesquisa e ensino, estabelecimentos de assistência veterinária, produtos de origem animal, laboratórios, centros de controle de zoonoses, avicultura, eventos agropecuários e esportivos, alimentação animal, laticínios, supermercados, zoológicos e muito mais.

O médico veterinário Marcelo Teixeira, presidente do CRMV-PE, é um dos palestrantes. No evento, ele aborda a responsabilidade técnica em estabelecimentos de assistência veterinária, como hospitais, clínicas, consultórios e ambulatórios veterinários.

O evento ainda conta com uma palestra sobre o papel do responsável técnico na sociedade ministrada por Irineu Benevides Filho, presidente da Comissão Nacional de Responsabilidade Técnica (CONRET/CFMV). Para falar sobre quanto vale o trabalho do RT e também sobre a função do responsável técnico em indústrias de laticínios e queijarias, a médica veterinária Roberta Mara Züge, formada pela Universidade de São Paulo e que é consultora na área de certificação de produtos agropecuários, sendo ainda instrutora e auditora certificada Globalgap. É dela a coordenação do projeto de elaboração da norma brasileira de certificação de leite (MAPA).

Já para falar sobre responsabilidade técnica em laboratórios, o SNRT traz Luiz Eduardo Ristow, mestrando em Medicina Veterinária Preventiva pela Universidade Federal de Minas Gerais, sendo, atualmente, diretor técnico-científico do TECSA Laboratórios. Além disso, Ristow presta consultoria na área de sanidade animal em todo o Brasil.

Ao todo, 14 especialistas participam da programação, além dos já citados, nomes como Márcio Silva, Carlos Müller, João Alves do Nascimento Jr, Paulo Magnata, Marcelo Brasil, Francisco Ives Tavares, Samantha Lopes, João Franz Tegehoff, Maycon Gonçalves Barros e Cristiane Vasconcelos.

As inscrições para o evento devem ser feitas exclusivamente através do site www.feirapetnor.com.br. Profissionais com inscrição no CRMV-PE têm gratuidade para o evento, mas as vagas são limitadas!

 

Mais sobre a Petnor – Com o objetivo de promover o fortalecimento do empreendedorismo, o desenvolvimento e renovação de parcerias entre fornecedores, distribuidores e clientes, a FEIRA terá exposição de mais de 130 marcas e realizará sete eventos simultâneos. O CRMV-PE terá estande no evento.

Dirigido a profissionais, acadêmicos, estudantes e técnicos de diversas áreas dos setores de saúde, estética, bem estar, produção animal e responsabilidade técnica, a FEIRA PETNOR é um ambiente único e interessante para atualização e qualificação técnico-científica e profissional.

Para visitação, a inscrição para a FEIRA PETNOR (através do site www.feirapetnor.com.br) é gratuita para estudantes e profissionais da área. O credenciamento online também é gratuito para pessoas acima de 60 anos e pessoas portadoras de deficiência, de qualquer idade.

Para aqueles que não são do setor, a visitação custa de R$ 90,00 (inteira) e R$ 45,00 (estudantes), nesse caso a inscrição também pode ser feita pelo site e no local.

A participação nos eventos simultâneos requer inscrição à parte, mas também dá acesso ao pavilhão da Feira.

Na perspectiva de Mercado, a FEIRA PETNOR integra setores de grande importância na economia brasileira: o Agronegócio, o Mercado Pet e o de Produção Animal.

 

Profissional com inscrição no CRMV-PE tem gratuitade no SNRT 2019

Você já se inscreveu para participar da edição 2019 do Simpósio Nordestino de Responsabilidade Técnica Veterinária (SNRT)?!

O evento acontece de quinta-feira (28) a sábado (30), no Centro de Convenções de Pernambuco, promovendo palestras com especialistas de diversas áreas da responsabilidade técnica (RT), o que passa por instalações animais de pesquisa e ensino, estabelecimentos de assistência veterinária, produtos de origem animal, laboratórios, centros de controle de zoonoses, avicultura, eventos agropecuários e esportivos, alimentação animal, laticínios, supermercados, zoológicos e muito mais! O médico veterinário Marcelo Teixeira, presidente do CRMV-PE, é um dos palestrantes. No evento, ele aborda a responsabilidade técnica em estabelecimentos de assistência veterinária, como hospitais, clínicas, consultórios e ambulatórios veterinários.

O objetivo do SNRT é promover um debate técnico-científico entre público e palestrantes, atualizando conhecimentos sobre normatização e legislação de áreas ligadas à Medicina Veterinária e Zootecnia.

Vale ressaltar que o evento, apoiado pelo CRMV-PE, acontece simultaneamente à Petnor, Feira Nacional de Produtos e Serviços para a Linha Pet e Animais de Produção.

Confira toda a programação e faça já a sua inscrição! Profissional com inscrição em dia no CRMV-PE tem gratuitade para o evento. Mas corra, as vagas são limitadas (100 inscrições gratuitas)!

As inscrições devem ser realizadas através do site: www.feirapetnor.com.br

Novembro Azul: Câncer de Próstata, prevenção é o melhor remédio

O câncer de próstata também afeta os animais de companhia e, assim como ocorre com os machos humanos, é importante alertar sobre prevenção. A maioria dos cães, com mais de 4 anos , está sujeita ao desenvolvimento de várias alterações na glândula prostática, por isso é fundamental o exame de toque retal e, quando necessário, a ultrassonografia para uma análise mais detalhada. Alterações dessa natureza também podem surgir em gatos, mas é raro. Os tutores devem ficar atentos.

Segundo a médica-veterinária Kellen de Sousa Oliveira, docente da Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás (EVZ/UFG), os tumores prostáticos em cães ocorrem em uma menor incidência em relação as demais doenças.

“O desenvolvimento das patologias ou alterações da glândula está relacionado a fatores hormonais (testosterona), genética e idade do paciente, por isso, a incidência é maior em animais entre a meia idade a idosos, não castrados ou castrados tardiamente”, afirma.

Oliveira aponta que o guardião do animal deve reparar em sintomas como dificuldade de defecar e urinar, além da presença de sangue e dor na região inguinal. “O tratamento dependerá do diagnóstico, já que, em casos de crescimento da próstata – Hiperplasias Prostáticas Benigna (HPB) – existe o tratamento medicamentoso ou cirúrgico, que é a remoção dos testículos (orquiectomia) associada, ou não, à remoção total ou parcial da próstata (prostatectomia)”, explica.

Em casos de prostatite, que é a dor, inchaço ou inflamação da glândula, a abordagem também pode ser por meio de medicamentos ou intervenção cirúrgica. A Revista da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo apontou que a maioria dos animais estudados e submetidos a orquiectomia apresentaram pelo menos 50% de redução do volume prostático, 15 dias após o procedimento.
A prevenção é a melhor forma de combate: visitas regulares ao médico-veterinário e a castração são as melhores decisões para prevenir as alterações prostáticas “A recomendação é a castração quando o animal atingir a puberdade”, resume.

Sobre a campanha Novembro Azul:
O Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, 17 de novembro, inspirou o surgimento na Austrália, em 2003, do Movember, que buscava, ao longo do mês, conscientizar os homens sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de próstata.

No Brasil, a campanha foi iniciada pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, com o objetivo de alertar homens sobre cuidados com a saúde e retirar o estigma do exame de toque, que diagnostica a doença. Entre os brasileiros, esse é o segundo tipo de câncer que mais mata, após o tumor de pele não melanoma. Foram 15 mil as mortes causadas pela doença, em 2017. O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que, em 2019, pouco mais de 68 mil novos casos surgirão.

 Assessoria de Comunicação do CFMV