PABX: (81) 3797.2517 – FAX: (xx81) 3797.2514

EXPEDIENTE:

Seg. a Qui.: 08h às 17h
Sex: 08h às 14h

TRF1 veta atuação de farmacêuticos e biomédicos em exames laboratoriais de animais

Nesta terça-feira (1), a 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) votou por unanimidade pela anulação das resoluções dos Conselhos Federais de Farmácia (CFF) e de Biomedicina (CFBM) que avançavam em competências privativas do médico-veterinário e autorizavam a coleta de materiais de animais, bem como a análise e a emissão de laudos.

Para anular as resoluções, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) demonstrou que as leis que disciplinam as profissões de farmacêutico e de biomédico não permitem a atuação desses profissionais com animais, tampouco as diretrizes curriculares dos cursos de Farmácia e de Biomedicina contemplam disciplinas veterinárias, portanto, as resoluções do CFF e do CFBM seriam consideradas autônomas e dissociadas de qualquer permissão legal.

Após a publicação do acórdão pelo TFR1, ficará reconhecida a decisão de que os médicos-veterinários são os profissionais detentores de qualificação técnica para o exercício privativo da clínica laboratorial veterinária, conforme previsto no artigo 5º, alínea “a”, da Lei n° 5.517/68.

Biomedicina

A ação ajuizada contra o CFBM é de 2008 e contesta a Resolução nº 154/2008, que autorizava o biomédico a coletar material biológico de animais, realizar exames laboratoriais e emitir o laudo dos achados da investigação. A norma do CFBM avançava em atribuições do médico-veterinário, uma vez que o artigo 5º da Lei nº 5.517/1968 diz que é competência privativa do médico-veterinário “a prática da clínica em todas as suas modalidades”.

O CFMV ainda contestou a resolução fundamentando que a atuação do biomédico se dá em caráter complementar à Medicina humana, conforme consta da própria lei que regulamenta o exercício da profissão de biomédico.

Farmácia

Anteriormente, em 2006, o CFMV entrou na justiça contra a Resolução nº 442/2006 do CFF, que permitia ao farmacêutico realizar todos os tipos de exames laboratoriais em animais, emitir o laudo e ainda responder como responsável técnico dos laboratórios que atuam em clínicas médico-veterinárias, como hematologia, microbiologia, parasitologia, citologia e imunologia. Mais uma vez avançando em atribuições que, por lei, são privativas do médico-veterinário.

As duas ações foram deliberadas na mesma sessão de julgamento da 7º Turma do TRF1 e as decisões convergiram por unanimidade confirmando que as resoluções invadem competências privativas do médico-veterinário.

Assessoria de Comunicação Social

Conselho comemora Dia do Veterinário e lança campanha de valorização profissional

Em atenção ao Dia do Médico Veterinário, comemorado nacionalmente na próxima segunda-feira, dia 9 de setembro, o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE) lança uma campanha de valorização profissional e uma ação que busca combater o exercício ilegal da profissão. Além disso, durante toda a semana, o CRMV-PE realiza, em sua sede, uma extensa programação técnico e científica com palestras gratuitas de capacitação profissional.

Em todo o Estado de Pernambuco são mais de 4.500 médicos veterinários em atuação, mas aumentam os registros de casos em que contraventores se passam por veterinários, realizando atendimentos, consultas, prescrição de medicamentos, aplicação de vacinas, procedimentos cirúrgicos e muito mais. A campanha “Quem cuida do seu animal?” será lançada para a sociedade na segunda-feira, às 10h, na Câmara dos Vereadores do Recife, ocasião em que os profissionais serão homenageados pelo seu dia.

O presidente do CRMV-PE, Marcelo Teixeira, explica que o Conselho, que é um órgão fiscalizador do exercício profissional, não tem competência legal para aplicação de sanções administrativas diretamente a pessoas físicas que não sejam médicos veterinários ou zootecnistas. “Nosso papel é apresentar casos inerentes ao exercício ilegal da profissão nas Delegacias de Polícia e no Ministério Público, com nossos fiscais realizando mandados de busca e apreensão sob autorização judicial e apoio policial. Mas qualquer cidadão, profissional ou não, pode denunciar casos de exercício ilegal nas delegacias. Por isso é importante saber como reconhecer e o que fazer nesses casos. Queremos formar multiplicadores no combate ao charlatanismo veterinário”.

Para denunciar, basta ir a uma Delegacia de Polícia e registrar um boletim de ocorrência, narrando o fato presenciado. É importante mencionar que se fazem necessárias provas documentais das contravenções. O boletim de ocorrência deve ser encaminhado ao CRMV-PE para que a assessoria jurídica tome as medidas legais necessárias e encaminhe as informações ao Ministério Público Estadual.

“Ficou na dúvida se a pessoa que está prestando o serviço veterinário é um profissional ou não? Peça para ver a carteirinha profissional. Ela assegura que trata-se de um profissional qualificado”, ensina Teixeira.

Assim como funciona com a medicina para humanos, na medicina veterinária há atividades privativas dos profissionais, que não podem ser exercidas sem a devida formação acadêmica – diploma expedido por uma universidade oficial, reconhecida e registrada no Ministério da Educação, além do porte da carteira profissional expedida pelo sistema CFMV/CRMV.

Programação da Semana do Médico Veterinário

Temas que envolvem a saúde única, os cuidados com os pequenos animais, o trabalho dos órgãos fiscalizadores e as questões legais ligadas aos animais silvestres serão debatidos na Semana do Médico Veterinário 2019, que acontece entre os dias 9 e 12 de setembro, na sede do CRMV-PE. Ao todo, serão 33 horas distribuídas em quatro dias de atividades gratuitas voltadas à capacitação profissional da classe. Na programação, palestras de manhã, tarde e noite ministradas por autoridades no assunto tratado.

Com patrocínio da Epe Produtos Agropecuários, Anclivepa PE, Ceva e Ativa Produtos Veterinários, a Semana do Médico Veterinário ainda contempla a realização de duas solenidades especiais. Uma de entrega do prêmio Prof. José Wanderley Braga, a maior comenda da Medicina Veterinária do Estado, e uma cerimônia de homenagem aos 50 anos de atividades do CRMV-PE.

O CRMVPE fica na Rua Conselheiro Theodoro, 460 – Zumbi, Recife – PE, 50711-030.

Confira a programação completa:

Confira a programação da Semana do Médico Veterinário 2019

A programação da Semana do Médico Veterinário 2019 está pronta! Este ano, os participantes poderão conferir oito palestras com diversos temas voltados à capacitação profissional, um simpósio promovido pela Academia Pernambucana de Medicina Veterinária, além de duas solenidades especiais, a primeira em comemoração ao Dia do Médico Veterinário e a segunda em homenagem aos 50 anos de atividades do CRMV-PE.

Entre os temas abordados, assuntos como a importância das unidades de vigilância das zoonoses, clínica de pequenos animais, leishmaniose visceral canina, animais silvestres, órgãos fiscalizadores, esporotricose e muito mais! Ao todo, serão 33 horas de atividades gratuitas entre os dias 9 e 12 de setembro!

Não fique de fora! Participe! As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas no dia e horário do programa, na própria sede do CRMV-PE.

 

Saúde única, selvagens e pequenos animais concentram atenções no II Amazonvet e Congresso Nacional de Animais Selvagens

Fotos: CFMV

Após mais de 70 horas de palestras e debates, permeados por networking e troca de experiências: assim terminou a programação científica do II Amazonvet – Congresso dos Médicos-Veterinários da Amazônia Legal, que neste ano abrigou, ainda, o Congresso Nacional de Animais Selvagens. Aproximadamente 1.300 participantes, entre profissionais e estudantes de Medicina Veterinária, Zootecnia, Biologia e áreas afins, compareceram, entre 20 e 22 de agosto, ao centro de convenções Hangar, em Belém (PA).

Ao longo do evento, os temas campeões de audiência, seja no discurso dos palestrantes, seja na lotação das salas, foram saúde única, zoonoses, proteção da fauna silvestre e tratamentos clínicos e cirúrgicos para cães e gatos. Essas atrações dividiram a preferência com apresentações na sala sobre grandes animais e sanidade, onde se falou sobre agronegócio, clínica e cirurgia de equinos, entre outros assuntos.

A organização do Amazonvet foi do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Pará (CRMV-PA), em parceria com os regionais dos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Roraima, Rondônia e Tocantins, e o apoio do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV). Já o Congresso foi idealizado pela Comissão Nacional de Animais Selvagens (CNAS/CFMV). Estiveram presentes os presidentes dos CRMVs dos seguintes estados: Pernambuco, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro, Acre, Roraima, Maranhão, Ceará  e Paraíba.

Cerimônia de encerramento teve homenagens, premiação e anúncio de hospital veterinário público em Belém

O evento terminou com homenagens aos médicos-veterinários Jairo Moura de Oliveira, na área de animais selvagens, e Edson Brito Ladislau, escolhido profissional do jubileu de ouro, em alusão aos 50 anos do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Pará (CRMV-PA), completos em 2019. Na cerimônia, também foram premiados quatro dos 380 trabalhos científicos pré-selecionados para o congresso: dois na categoria Profissional e dois na Acadêmico.

O presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida, falou ao público, parabenizando as equipes do CRMV-PA e da CNAS/CFMV pela qualidade do evento. “Os senhores congressistas nos proporcionaram esse evento brilhante, caloroso e rico. Incrível esse encerramento com salão cheio – e não é porque vai ter coquetel, eu também estou com fome, mas pela excelência do congresso”, disse, num dos vários momentos em que arrancou risos divertidos da plateia.

O último a falar foi o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, que anunciou a construção do Hospital Público Veterinário Dr. Vahia, para atender à população carente da capital paraense e que vai funcionar no antigo centro de zoonoses, a partir do primeiro semestre de 2020, de acordo com a previsão.

 

Veja mais:

Grandes, pequenos e selvagens: até quinta-feira, Amazonvet 2019 sedia palestras e debates diversificados

Tráfico de animais selvagens será principal tema de fórum

Assessoria de Comunicação do CFMV

MEC homologa novas Diretrizes Curriculares do curso de Medicina Veterinária

Após quatro anos de trabalho e articulação do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), o Ministério da Educação (MEC) homologa as novas Diretrizes Curriculares nacionais (DCNs) do curso de graduação de Medicina Veterinária. A publicação foi feita na edição do Diário Oficial da União desta quinta-feira (1) e as Instituições de Ensino Superior (IES) têm dois anos para se adaptar às novas exigências.

Uma das principais alterações é o estágio em formação em serviço, que exige trabalho prático dos estudantes nos últimos dois semestres do curso. “No final do curso, os alunos terão, no máximo, 10% de teoria, sendo todo o resto voltado para formação em serviço, atuando com a presença permanente do professor em diferentes áreas da profissão”, explica o presidente da Comissão Nacional de Educação em Medicina Veterinária (CNEMV/CFMV), Rafael Mondadori.

Dentre os avanços, o professor Mondadori afirma que está muito claro que a atividade prática é indispensável com a presença de animais, ou seja, os cursos têm de ter casuística adequada para aprendizagem. Também reforça a utilização de metodologias ativas durante a formação, com a existência de programa permanente de avaliação e formação do corpo docente das IES, além de regulamentar o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) e destacar a relevância estágios curriculares e atividades complementares.

As Diretrizes ainda definem que as instituições tenham de ofertar serviço médico-veterinário, tendo de tratar do planejamento, da avaliação, da participação e do gerenciamento da estrutura. Elas devem ter hospital ou clínica veterinária próprios para animais de produção e de companhia. “Com a fiscalização adequada, só poderá manter funcionamento a instituição com estrutura apropriada para formação profissional”, avalia Mondadori. A fazenda pode ser própria ou conveniada, mas as Diretrizes definem quais as áreas que devem ter na fazenda, como bovinocultura de corte, de leite, avicultura, suinocultura, equinocultura, ovino, caprino e psicultura.

Também ficou clara nas DNCs, segundo o professor, as questões de Saúde Única (saúde humana, animal e ambiental), de sustentabilidade econômica, social e ambiental, e da importância do bem-estar animal. “Inclusive, deixa bastante objetivo que temas como meio ambiente, bem-estar animal, legislação e ética devem ser abordados de forma transversal e não serem tratados em disciplinas específicas”, diz.

De acordo com o presidente da CNEMV, não houve mudanças sobre as competências e habilidades gerais relacionadas às questões humanísticas, pois já era algo moderno. Por outro lado, as DCNs destacaram a importância das doenças emergentes e reemergentes e ainda orienta as instituições dizendo quais são os tópicos que devem constar no projeto pedagógico, com ênfase para pesquisa e iniciação científica.

Histórico

O processo de atualização das Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação de Medicina Veterinária começou em 2014, quando o CFMV realizou em um Seminário de Ensino e trabalhou em cima das DCNs vigentes à época que eram de 2003. Na ocasião, os grupos de trabalho sugeriram os diversos temas que necessitavam de atualização.

Em 2015, a CNEMV trabalhou na consolidação dessas sugestões e, no ano seguinte, enviou o documento para as comissões de Educação dos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária (CRMVs) e IES, visando ter contribuições e suporte de todos os atores envolvidos no processo. Em 2017, o CFMV entregou a primeira versão das DCNs ao Conselho Nacional de Educação (CNE), quando participou do debate sobre a proposta, que passou por edições e teve uma minuta fechada ao final do ano. A Câmara de Educação Superior do CNE, em 2018, fez a minuta do parecer, que foi aprovado pelo CNE em 23 de janeiro (Parecer nº 70/2019), homologado pelo MEC nesta data.

Assessoria de Comunicação do CFMV

Nota de pesar

O Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco lamenta profundamente a morte da médica veterinária Nathália Regina de Andrade Magalhães, que teve sua vida ceifada por um covarde latrocínio em Igarassu na manhã de ontem (30/07).

É revoltante pensar que alguém tão jovem, com toda uma vida e carreira pela frente, tenha sido mais uma vítima fatal da violência que assola Pernambuco e o Brasil. Nosso desejo agora é que a justiça seja feita e que os responsáveis por essa tragédia sejam punidos.

Aos familiares e amigos, nosso mais profundo sentimento! Que os momentos felizes e as boas memórias sejam conforto, uma luz para aquecer o coração nesse momento de dor!

O velório e sepultamento da médica veterinária Nathália Magalhães será realizado no Cemitério Parque das Flores, às 14h.

CFMV publica nova resolução para cursos de auxiliar de veterinário

A Resolução nº 1.281 do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), publicada hoje (26) no Diário Oficial da União, define novas diretrizes para os cursos de auxiliar de veterinário. A norma esclarece que o credenciamento será da instituição e não de cursos ou turmas, determinando que o credenciamento seja feito por um Responsável Técnico, que apresentará a documentação ao CRMV comprovando que a instituição atende aos requisitos exigidos. Caso atue em mais de um estado, a instituição deverá solicitar credenciamento em todos os CRMVs onde ministre o curso, apresentando seu respectivo Responsável Técnico. O cadastramento deverá ser feito 60 dias antes de iniciar a primeira turma e, uma vez aprovada, a instituição ficará credenciada por até cinco anos.

Nesta nova versão, fica claro que os egressos de cursos realizados antes da publicação da norma poderão solicitar seu credenciamento ao CRMV, devendo para isso comprovar que o treinamento concluído cumpriu os requisitos previstos na Resolução 1.281. O primeiro cadastro do auxiliar de veterinário deve ser feito no estado onde concluiu seu curso, podendo requerer transferência ou nova inscrição em outros estados, posteriormente.

“Com a atualização, garantimos que, para se credenciar, a instituição deverá ter um médico-veterinário responsável técnico pelos cursos e asseguramos à sociedade que os alunos tenham capacitação adequada para prestar os serviços de auxiliar de veterinário”, afirma o presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida.

A resolução publicada hoje entra em vigor em 45 dias e revoga a norma anterior, de número 1.259/2019.

Assessoria do CFMV de Comunicação Social

Resolução altera regras para estabelecimentos veterinários

A nova legislação moderniza a atividade veterinária, dando maior ênfase às boas práticas sanitárias e respeito ao fluxo das áreas nos estabelecimentos veterinários, ao mesmo tempo em que dá mais autonomia ao profissional em definir os espaços e equipamentos utilizados na sua rotina. Os equipamentos de anestesia, por exemplo, serão exigidos conforme o tipo de protocolo que o profissional aplica. Os procedimentos cirúrgicos continuam permitidos apenas nos hospitais e clínicas, porém alguns procedimentos ambulatoriais que necessitam de sedação do paciente poderão ser realizados em consultório.

Consultórios, clínicas, ambulatórios e hospitais veterinários passam a seguir a Resolução nº 1275/2019 do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (24), que revoga a Resolução CFMV 1015/2012; e poderão compartilhar a estrutura para comercializar produtos para uso de animal, bem como prestar serviços de estética para animais, sem necessidade de acesso independente; desde que respeitadas as boas práticas de higiene.

“Com a nova resolução ganham os médicos-veterinários que terão bases sólidas para constituírem seus estabelecimentos, mas, sobretudo, a sociedade, com a clareza sobre os serviços que podem ser realizados em cada estabelecimento”, garante o presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti.

O destaque dessa atualização é a definição das boas práticas voltadas ao bom exercício profissional. “São orientações gerais que visam elevar as exigências sobre higienização, conservação de instalações e equipamentos, e Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, por exemplo, para garantir padrão sanitário e de qualidade nos procedimentos”, explica Cavalcanti.

Os estabelecimentos já registrados terão o prazo de 180 dias para se adequar à nova Resolução. Confira os esclarecimentos técnicos sobre a resolução elaborados pela Comissão Nacional dos Estabelecimentos Veterinários (CNEV/CFMV).

*************

O QUE MUDOU PARA OS ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS DE ANIMAIS DE COMPANHIA

COMENTÁRIOS DA CNEV SOBRE A NOVA RESOLUÇÃO 1275/2019

A COMISSÃO NACIONAL DOS ESTABELECIMENTOS VETERINÁRIOS do CONSELHO FEDERAL DE  MEDICINA VETERINÁRIA, CNEV/CFMV, após 18 meses de árduos estudos, discussões e pesquisas da legislação, inclusive de outros países, concluiu recentemente a sua nova versão que foi amplamente debatida pelos Conselhos Regionais, através da Câmara de Presidentes e também da plenária do CFMV, onde foi aprovada.

Essa demanda de alteração aconteceu através do gabinete da Presidência do CFMV, em observância à necessidade de modernização das normas para o funcionamento dos estabelecimentos veterinários, quais sejam: ambulatórios, consultórios, clínicas e hospitais veterinários.

A seguir, a CNEV comenta os pontos mais importantes e cruciais das alterações e incrementos da referida Resolução.

Nas disposições preliminares da Resolução 1275 foram definidos termos como animais de companhia, procedimentos ambulatoriais e estabelecimentos veterinários.

Nos ambulatórios veterinários foram definidos os serviços que este estabelecimento pode realizar com a clareza necessária para procedimentos que utilizem sedativos e tranquilizantes. Não só nesse, mas em todos os outros  estabelecimentos, ficou patente a exigência de balança para pesagem de animais e também a permissão para uso de sanitários de uso público, podendo ser aqueles que integrem centros comerciais onde já existam banheiros compartilhados.

A partir dos capítulos I e II, que tratam dos ambulatórios e consultórios veterinários, estes foram separados distintamente para melhor interpretação das normas. Em ambos, foi acrescentada a possibilidade da utilização de sedativos ou tranquilizantes para contenção e realização de procedimentos ambulatoriais, mas permanecendo a proibição de procedimentos cirúrgicos.

No capítulo III, que trata das clínicas veterinárias, ficou mais clara a situação daquelas que são ou não de atendimento 24 horas, com maior definição dos equipamentos e ambientes exigidos.

No capítulo IV, no qual se fala dos hospitais veterinários, foram acrescentados serviços diferenciados em relação às clínicas veterinárias como, por exemplo, a exigência de serviço de radiologia, ultrassonografia e eletrocardiografia, e também equipamentos laboratoriais básicos para atendimento de emergências.

De maneira geral, essa nova resolução atende alguns pontos controversos e que dificultavam a realização do negócio veterinário. Por exemplo, a revogação da exigência do acesso independente para pet shops e a revogação da exigência de várias salas para cada procedimento, sendo que algumas poderão ser substituídas por ambiente adequado à atividade.

Nota-se ainda, nessa resolução, que os estabelecimentos ficaram segmentados de acordo com o nível de complexidade dos seus atendimentos.

Outro ponto crucial é que houve um facilitador para o médico-veterinário autônomo abrir seu consultório em pet shop, clínica ou hospital com responsabilidades independentes.

A CNEV acredita que foi dado um passo muito grande para a modernização da atividade veterinária ligada a animais de companhia, elevando-se a exigência quando essa era requerida e adequando alguns pontos desfavoráveis ao bom exercício da profissão. Isso fica evidente no Título IV da Resolução, que trata das Disposições Gerais, e na qual foram acrescidos itens ligados a procedimentos de boas práticas e que passam a ser exigências.

Com a nova resolução, ganham os veterinários, que terão bases sólidas para constituírem seus estabelecimentos, mas sobretudo, a sociedade.

CNEV/CFMV

******************

Assessoria de Comunicação do CFMV

Conselho de Medicina Veterinária de Pernambuco comemora 50 anos de atividades

O Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE) promove nesta quarta-feira (24), às 19h, em seu auditório, uma solenidade de comemoração aos 50 anos de atividade da instituição, que possui mais de 4.500 médicos veterinários e zootecnistas inscritos. São cinco décadas cumprindo rigorosamente o papel de orientar o exercício do ofício, zelando pela ética da profissão em todas as suas áreas de atuação. Para a cerimônia comemorativa, o presidente do CRMV-PE, Marcelo Teixeira, recebe o presidente do Conselho Federal de Medicina Veterinária, Francisco Cavalcanti de Almeida, membros do conselho e da diretoria pernambucana, representantes de outras regionais e ex-presidentes do CRMV-PE, como o Dr. Luiz de Oliveira e Silva Sobrinho, o primeiro presidente da regional, que assumiu o mandato em 28 de julho de 1969, sendo também o médico veterinário com registro 0001 do conselho.

Para o presidente Marcelo Teixeira, a comemoração dos 50 anos do CRMV-PE chega num momento muito propício, pois há um questionamento nacional por parte do governo sobre a necessidade da atuação dos conselhos de classe. Com uma trajetória de sucessos e conquistas coletivas para as profissões que representa e para a sociedade como um todo, Marcelo vê nessa comemoração uma forma de reafirmar o papel fundamental dos conselhos na manutenção e desenvolvimento das profissões. “Não dá para se pensar numa sociedade produtiva, saudável e sustentável a longo prazo sem a atuação dos conselhos de classe. No nosso caso específico, em 50 anos de atividades, conquistamos diversas melhorias na qualidade do trabalho dos profissionais, além de termos conquistado o reconhecimento da sociedade quanto a importância do médico veterinário e do zootecnista na manutenção da saúde única, o que envolve animais, seres humanos e meio ambiente”, explica Marcelo.

A comemoração pelos 50 anos do CRMV-PE chega exatamente um ano após os 50 anos da criação da Lei nº 5.517, que regulamentou o exercício da Medicina Veterinária e transferiu para a própria classe a função fiscalizadora do exercício profissional, tendo em vista que o governo sempre se mostrou inoperante nessa atividade. Assim surgiram os conselhos federal e regionais, conhecidos atualmente como Sistema CFMV/CRMVs.

Com grandes acontecimentos externos movimentando o cenário nacional, o Conselho Pernambucano também comemora conquistas internas, já que acaba de iniciar uma grande ampliação da sede – a segunda maior da história da regional – que prevê mudanças práticas para oferecer mais conforto e serviços mais ágeis para toda a classe. Além disso, neste momento, a instituição também celebra a renovação da frota de automóveis, o que vem possibilitando uma fiscalização mais incisiva do conselho fora da Região Metropolitana do Recife; e a interiorização das ações educativas, como palestras e cursos de capacitação profissional gratuitos, que passaram a acontecer com regularidade no interior pernambucano, garantindo aos profissionais dessas localidades chances iguais aos da capital.

Outras conquistas incluem a criação de um canal exclusivo para denúncias, via whatsapp; a implantação da votação online, que já estará ativa nas próximas eleições presidenciais do CRMV-PE; o fortalecimento da Zootecnia dentro do sistema regional, com mais representatividade e espaço, e também a decisiva atuação do Conselho Federal, com apoio unânime das regionais, no combate à expansão dos cursos de Medicina Veterinária na modalidade à Distância no Brasil.

O CRMV-PE ainda pode celebrar o êxito de uma importante bandeira dessa gestão: o combate ao exercício ilegal da profissão, um mal que Pernambuco e o Brasil enfrentam há anos e que precisa ser urgentemente coibido, principalmente nas cidades do interior, onde há um maior registro de ocorrências. Após uma bem-sucedida campanha contra a atuação dos chartalões, o Conselho se prepara para iniciar uma nova etapa, focada no repasse de informações para a sociedade.

As comemorações pela data serão iniciadas nesta quarta-feira (24), mas os 50 anos oficiais acontecem no dia 28 de julho, domingo.

 

Serviço – 50 anos do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco

Quando: Quarta-feira, 24 de julho

Local: Sede do Conselho (Rua Conselheiro Theodoro, 460 – Zumbi, Recife – PE)

Horário: 19h

 

 

 

 

 

 

 

 

Expediente do CRMV-PE durante o feriado de Nossa Senhora do Carmo

Atenção! Confira o expediente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco durante o feriado de Nossa Senhora do Carmo, padroeira do Recife