PABX: (81) 3797.2517 – FAX: (xx81) 3797.2514

EXPEDIENTE:

Seg. a Qui.: 08h às 17h
Sex: 08h às 14h

CFMV e CRMVs debatem juntos novas normas para o Sistema

O presidente do Conselho Pernambucano, Marcelo Teixeira, marcou presença na primeira Câmara Nacional de Presidentes do Sistema CFMV/CRMVs de 2019, que reuniu presidentes e representantes dos Conselhos Regionais dos 27 estados, em Brasília, para, ao longo de três dias, debater ações e pensar em formas de valorizar os profissionais da Medicina Veterinária e da Zootecnia. Nesta edição, o evento contou com um novo formato. Nele, os presidentes e representantes do CFMV/CRMVs se dividiram em grupos de trabalho para sugerir alterações em três resoluções do Sistema. O evento aconteceu na sede do CFMV, em Brasília, de 13 a 15 de maio.

“É uma alegria muito grande estar com a casa cheia e presidindo essa reunião do Sistema CFMV/CRMVs. O Conselho é de todos. É fundamental ouvirmos quem está na ponta para atuarmos com eficiência e celeridade”, disse o presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida.

O presidente do CRMV-PE, Marcelo Teixeira, concorda. “Esses encontros são excelentes oportunidades de fazer com que nossas demandas sejam ouvidas. O coletivo faz as ações e as mudanças ganharem força, impulsionando assim o crescimento da Medicina Veterinária e da Zootecnia”, explica Marcelo, que avalia o novo modelo de evento como uma mudança salutar.  “Na Câmara tivemos a oportunidade de discutir e ouvir as experiências dos colegas presidentes. Uma oportunidade única de conhecermos melhor o sistema”, conclui.

Os 27 presidentes dos Conselhos Regionais estiveram presentes. Separados em três grupos e com a participação de outros profissionais eles chegaram ao consenso sobre a reformulação das resoluções do federal nº 875, que aborda o processo ético; nº 958, sobre eleições nos conselhos; e nº 1015, que modifica as estruturas dos estabelecimentos veterinários.

Quem também prestigiou o evento foi o deputado federal Fred Costa, autor de vários projetos de lei (PLs) no Congresso Nacional que envolvem animais e áreas de Medicina Veterinária e Zootecnia, como por exemplo o PL 48/2019, que cria o serviço de Disque Denúncia de Maus Tratos e Abandono de Animais. Outro projeto de lei do dele é o 59/2019, que estabelece a obrigação dos estabelecimentos veterinários, quando constatarem indícios de maus tratos nos animais atendidos, comunicarem imediatamente o fato à Polícia Judiciária. “É uma bandeira fundamental do meu mandato a questão animal. Vamos ter diálogo permanente com o CFMV. Temos muito motivos para caminharmos unidos”, declarou o deputado.

As contribuições dos Regionais serão analisadas com prioridade, em breve, pela plenária do Conselho Federal.

Mais sobre a participação dos CRMVs

Para a presidente do Regional do Pará (CRMV-PA), Maria Antonieta Martorano Priante, é sempre uma satisfação participar das Câmaras; uma oportunidade de aprender e compartilhar as experiências. “Estamos agora revendo e dando contribuições para essas três resoluções e é muito importante que a gente faça parte, com a experiência de cada Regional, para que realmente as normas tenham participação de todos e sejam aplicáveis nos estados”, afirma.

“Participando hoje da Câmara Nacional de Presidentes, vejo a importância que nós temos em trazer novas ideias, trazer as dificuldades vivenciadas pelo nosso estado e poder contribuir com o sistema”, relatou o presidente do CRMV-ES, Marcus Campos Braun.

Para Rodrigo Bordin Piva, presidente do CRMV-MS, é muito importante a realização da Câmara, “espaço onde a gente consegue compartilhar as experiências de outros estados. Ela traz essa troca de informações com os colegas e permite a discussão de propostas das resoluções, portarias e RTs“.

Marcos Vinícius de Oliveira Neves, presidente do CRMV-SC, avalia o formato como ideal par discutir os problemas, e com isso construir melhores soluções. “Essas propostas serão transformadas em resoluções que vão para a prática daqui pra frente”.

O presidente do CRMV-BA, Altair Santana de Oliveira, considera importante discutir resoluções impactantes para as classes da Medicina Veterinária e da Zootecnia. “Na Bahia, estamos num esforço constante de nos comunicarmos com a sociedade, por meio das mídias sociais, jornais, rádios. Muitos profissionais não entendem o papel do Conselho”.

O Evento

No primeiro dia da CNP foram apresentados os resultados do trabalho do Departamento de Comunicação do CFMV; o projeto de recadastramento de profissionais do Sistema e a nova carteira de identidade dos Médicos Veterinários e Zootecnistas.

No último dia, os CRMVs tiveram a oportunidade de apresentar as ações desenvolvidas em cada estado e as dificuldades encontradas, além da troca de experiências.

“A nossa missão é fiscalizar e precisamos retornar à sociedade os resultados. Saio daqui realmente satisfeito com a participação dos meus colegas” finalizou o presidente do CFMV.

Confira mais fotos da Câmara de Presidentes, aqui, no Flickr do CFMV

Com informações da Assessoria de Comunicação do CFMV

Procedimentos para comercialização de substâncias com controle especial

A Secretaria de Defesa Agropecuária, no uso das suas atribuições, estabeleceu os procedimentos para a comercialização de substâncias sujeitas a controle especial – como anabolizantes e entorpecentes, por exemplo – quando destinadas ao uso veterinário.

Assim, a Instrução Normativa aplica-se a todo estabelecimento que fabrique, armazene, comercie, manipule, distribua, importe ou exporte produtos de uso veterinário, bem como aos Médicos Veterinários que os prescrevam ou os utilizam no exercício profissional.

Confira toda a Instrução Normativa aqui

Veja também como o Manual de Procedimentos para comercialização das substâncias substâncias sujeitas a Controle Especial aqui.

Com dúvidas sobre como funciona o Cadastro de Estabelecimentos no Sipeagro?  Confira aqui o passo a passo.

 

Publicado o novo Código de Ética do Zootecnista

Mais claro e abrangente, o novo Código de Ética do Zootecnista foi aprovado em plenária pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), no dia 11 de abril, em Brasília (DF). Após 37 anos da primeira versão, o documento foi instituído pela Resolução nº 1267/2019 e publicado hoje no Diário Oficial da União. Ele entra em vigor na próxima segunda-feira, 13 de maio, data em que se comemora o Dia do Zootecnista.

As mudanças visaram acompanhar as mudanças na evolução da profissão, bem como novas resoluções do CFMV e a legislação em geral. O juramento do zootecnista passa a figurar no documento, além de menções à importância do bem-estar animal e da genética, temas ainda incipientes para a profissão, em 1982.

Assessor técnico da presidência do conselho, Fernando Zachhi destaca as seguintes inovações:

– Com uma visão de saúde única, destaca a importância do papel do zootecnista na promoção do desenvolvimento sustentável, preservação e conservação dos recursos naturais, bem como na manutenção e melhoria da qualidade da vida humana e animal.

– Reforça o compromisso de respeito à comunidade, ao cliente, ao paciente e a outros profissionais, dando ênfase à sua responsabilidade civil e criminal.

– Elenca os deveres do zootecnista quando assume o papel de Responsável Técnico, disciplinando também questões nas quais possa haver conflito de interesses para os profissionais que tenham atribuição de fiscalização.

– Regulamenta a conduta profissional diante de publicações científicas, na propaganda pessoal e nas divulgações em veículos de comunicação de massa.

“O objetivo do novo código é preservar os bons profissionais e atualizar as regras de conduta no exercício da Zootecnia. Trata-se de uma grande conquista para os 8 mil zootecnistas atuantes no Brasil”, afirma Wendell José de Lima Melo, conselheiro efetivo do CFMV.

Juramento e preâmbulo

Além de atualizar direitos e deveres de acordo para ajustá-los à evolução da profissão, o novo código terá estampado o Juramento do Zootecnista (que não constava do documento) e um preâmbulo. A proposta desse texto inicial é apresentar os objetivos do documento (“regula os direitos e deveres do profissional em relação à comunidade, ao cliente, ao paciente, a outros profissionais, ao meio ambiente”), a importância de sua observância no exercício da profissão (“Para o exercício profissional com integridade, respeito, dignidade e consciência, o zootecnista deve observar as normas de ética profissional previstas neste código, na legislação vigente e pautar seus atos por princípios morais de modo a se fazer respeitar, preservando o prestígio e as nobres tradições da profissão.”) e reforça que “A fiscalização do cumprimento das normas éticas estabelecidas neste código é da competência dos Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária”.

Assessoria de Comunicação do CFMV

Justiça nega liminar contra a Resolução que combate EAD

A 6ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Distrito Federal indeferiu, na última segunda-feira (06/05) o pedido liminar da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), que solicitava a suspensão da Resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) nº 1.256/2019. O pedido de liminar também requisitava que o CFMV não divulgasse, nem fizesse qualquer tipo de campanha de comunicação sobre a Resolução, que proíbe a inscrição de egressos de cursos de Medicina Veterinária realizados na modalidade de ensino a distância.

A Justiça Federal de 1º grau indeferiu o pedido de liminar com base no argumento de defesa apresentado pelo próprio CFMV, alegando que há falta de interesse processual, já que “não cabe mandado de segurança contra lei em tese”, conforme prevê a Súmula nº 266 do Supremo Tribunal Federal (STF). Dessa forma, a decisão judicial considerou sem fundamento o pedido da Associação, mantendo a eficácia da Resolução.

“A juíza acolheu a nossa tese e não concedeu a medida liminar para a entidade, mantendo a Resolução do CFMV em vigor e produzindo seus efeitos. Foi um primeiro passo da nossa constante luta pelo curso de Medicina Veterinária integral, presencial, com aulas práticas, estágio profissional e alunos com formação sólida”, defende o presidente do CFMV, Francisco Cavalcanti.

“Enquanto trabalhamos pela qualidade do ensino e dos serviços veterinários prestados, visando proteger a sociedade de profissionais despreparados, as faculdades particulares, que cobram caro pelos seus cursos, defendem na justiça a mercantilização da educação e a graduação em Medicina Veterinária a distância, algo que consideramos preocupante e perigoso para a população”, complementa.

#EADNÃO

O CFMV entende que a modalidade a distância impede a realização de aulas práticas essenciais para preparar o bom profissional. E destaca que o curso de Medicina Veterinária demanda inúmeras atividades práticas e de campo, como anatomia, fisiologia, clínica, cirurgia, patologia, análises laboratoriais, entre outras operacionais e de manejo técnico, cuja aprendizagem só ocorre por meio de aulas presenciais, conforme prevê a Resolução CFMV nº 595/1992.

Sem a inscrição no Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), quem tiver concluído o curso a distância fica impedido de exercer a profissão de médico-veterinário em todo o país. E os profissionais que ministrarem disciplinas ou estiverem envolvidos na gestão dos cursos a distância estão sujeitos à responsabilização ético-disciplinar.

Atualmente, a Portaria nº 1.134/2016 (art1º, §1º) do Ministério da Educação (MEC) admite que 20% da grade horária da graduação de Medicina Veterinária seja realizada por aulas on-line. O CFMV defende a aprovação do Projeto de Lei (PL) nº 7.036/2017, de autoria do atual ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que é médico-veterinário. A proposta limita a 10% a carga horária na modalidade semipresencial. “Defendemos a aprovação desse PL para que 90% das aulas sejam ministradas exclusivamente sob a modalidade presencial, inclusive, com estágio profissional”, argumenta Cavalcanti.

Para o presidente do CFMV, “os avanços tecnológicos são bem-vindos e podem ser facilmente aplicados em cursos de pós-graduação, quando o aluno já passou por amplo e árduo treinamento durante toda a graduação”.

O Conselho já solicitou ao MEC para participar do processo de criação dos cursos de Medicina Veterinária, oportunidade que já é dada à Medicina, Odontologia, Psicologia, Enfermagem e ao Direito, por meio do Decreto nº 9.235/2017.

Assessoria de Comunicação do CFMV

Conferência Internacional de Medicina Veterinária do Coletivo

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado da Paraíba (CRMV PB), preocupado com as novas demandas sociais que envolvem as práticas do profissional de Medicina Veterinária, promoverá a IX Conferência Internacional de Medicina Veterinária do Coletivo nos dias 23 e 24 de maio de 2019, em João Pessoa, Paraíba (no Auditório da Reitoria da Universidade Federal da Paraíba – UFPB), ao lado do Instituto Técnico de Educação e Controle Animal (ITEC). O ITEC é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que visa a capacitação dos profissionais que lidam direta ou indiretamente com os animais de estimação para a promoção da saúde dos indivíduos, famílias e comunidades por meio da convivência harmoniosa entre humanos e animais.

Medicina Veterinária do Coletivo (MVC) é uma nova área da Medicina Veterinária que interliga a Saúde Coletiva, a Medicina de Abrigos e a Medicina Veterinária Legal. Exige a formação de um profissional que integre o sistema para a promoção da saúde dos indivíduos, famílias e comunidades, por meio da  melhoria da interação humano-animal e meio ambiente.

O manejo populacional humanitário e sustentável de cães e gatos (MPCG) em áreas urbanas é um dos grandes temas dentro da MVC, sendo um problema para saúde pública e medicina de abrigos, mas tendo consequências também forenses. A medicina de abrigos engloba toda a política interna dos locais públicos, privados ou do terceiro setor que fazem a manutenção de cães e gatos no coletivo, mas que têm relação direta e sofrem as consequências das políticas externas de MPCG. Inclui os protocolos de admissão de animais, programas preventivos, capacitação de funcionários e demais demandas para que os animais possam ser reintroduzidos na sociedade sem representarem riscos.

Os maus-tratos aos animais é um tema que deve ser tratado intersetorialmente: como indicador de outras formas de violência, envolve a saúde, assistência social, conselhos tutelares e de defesa dos direitos dos idosos e das mulheres; as intervenções legais, caso as ações socioeducativas não tenham efeito; e a aplicação dos 4Rs da medicina de abrigos (recolhimento seletivo, reabilitação, ressocialização e reintrodução na sociedade por meio da adoção) para a melhoria dos níveis do bem-estar dos animais.

Em 1999, a Medicina Veterinária do Coletivo (MVC) começa a fazer parte do currículo de algumas escolas veterinárias americanas e programas especiais começam a ser desenvolvidos.  No Brasil, o primeiro curso de Medicina Veterinária do Coletivo foi realizado pelo Programa de Proteção e Bem-estar de Cães e Gatos da Cidade de São Paulo (PROBEM) em junho de 2009, com apoio internacional do Centro de Pesquisa da Interação da Saúde Animal, Humana e Ecológica (CISAHE) da Universidade De La Salle, Colombia, Secretaria de Estado da Saúde, Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo e Instituto Técnico de Educação e Controle Animal (ITEC). As Conferências de Medicina Veterinária do Coletivo (MVC) nasceram em 2010 na Universidade de São Paulo (2010 e 2011). Em 2012 e 2013 aconteceram na Universidade Federal do Paraná (UFPR); em 2014 e 2015 na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); em 2016 e 2017 na UniRitter Porto Alegre. A partir de 2017 a Conferência passou a ser bianual, com a próxima edição em João Pessoa, Paraíba. A UFPR oferece disciplina e residência na área desde 2012.

A prática da MVC no Brasil tem se acelerado principalmente com as novas realidades jurídicas de cunho ético/moral de alguns estados que impede a eliminação de animais sadios pelos serviços de controle de zoonoses. Nesse momento de delicada transição, a ciência precisa caminhar junto com a ética e a lei, oferecendo as bases para os médicos veterinários promoverem uma vida digna, sem sofrimentos, aqueles que necessitam permanecer confinados, independentemente do tempo.

A IX Conferência Internacional de Medicina Veterinária do Coletivo objetiva promover a disseminação e o aprimoramento dos conhecimentos da Medicina Veterinária do Coletivo, atualizando os profissionais nos mais modernos preceitos da área, mediante a apresentação de experiências práticas, de estudos científicos nacionais e internacionais.

As temáticas que serão abordadas no evento são: Saúde única e SUS; Manejo populacional de cães e gatos; Guarda responsável e Legislação; Controle reprodutivo; Animais de companhia e riscos de agravos; Bem-estar animal; Teoria do Elo (relação da violência interpessoal e os maus-tratos aos animais); Medicina Veterinária de abrigos; Interação humano-animal. A programação preliminar do evento segue em anexo.

Para conferir a programação completa e realizar sua inscrição, clique aqui

 

 

Fonte: CRMV-PB

Profissionais de grupo prioritário podem se vacinar até 31 de maio

O Ministério da Saúde já a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (gripe) 2019. A ação, denominada Movimento Vacina Brasil, pretende vacinar 58,6 milhões de pessoas até o dia 31 de maio. Os médicos-veterinários fazem parte do grupo de profissionais de saúde, prioritário para vacinação.

No período de 22 de abril a 31 de maio, os profissionais podem procurar os postos de atendimento. Caso haja recusa em oferecer a dose da vacina, é possível denunciar na Ouvidoria do SUS, pelo número 136, ou na Secretaria de Saúde do município. Também fazem parte dos grupos prioritários: povos indígenas; puérperas (mulheres até 45 dias após o parto); idosos (a partir de 60 anos); professores; pessoas portadoras de doenças crônicas e outras categorias de risco clínico; população privada de liberdade, incluindo adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medida socioeducativa; e funcionários do sistema prisional. Crianças e gestantes têm prioridade de vacina de 10 a 18 de abril

MEDICINA VETERINÁRIA

De acordo com a Resolução do Conselho Nacional de Saúde (CNS/MS) nº 287, de 08 de outubro de 1998, a Medicina Veterinária faz parte do rol de profissões da área de saúde, ao lado de assistentes sociais, biólogos, biomédicos, profissionais de educação física, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, médicos, nutricionistas, odontólogos, psicólogos e terapeutas ocupacionais.

Os médicos-veterinários atuam em diversas frentes e estão inseridos em atividades que vão desde a gestão até a vigilância epidemiológica e sanitária, o que os torna mais suscetíveis à doença. A escolha dos grupos prioritários que recebem a vacina gratuitamente segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, reafirma a importância e a necessidade da vacinação do médico-veterinário, principalmente em razão da origem das gripes suínas e aviárias, que podem colocar em risco a saúde do profissional.

DOENÇA

A influenza (gripe) é uma doença contagiosa, razão pela qual se dissemina rapidamente. Nas épocas epidêmicas, fica praticamente impossível evitar o contágio, pois o vírus circula nas aglomerações, como escolas, empresas e instituições, e a pessoa infectada pode em pouco tempo infectar todos os seus contatos.

SAIBA MAIS:

A Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária (CNSPV), do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), trabalha em prol de tornar reconhecidas a presença, a participação e a importância do Médico Veterinário na Saúde Pública. Promove ainda a saúde humana e animal, contribuindo para a prevenção de doenças e conscientizando os profissionais, gestores e sociedade sobre o papel da profissão para a saúde das populações.

Nos últimos anos, o CFMV obteve grandes conquistas para a Medicina Veterinária, como, por exemplo, a inclusão do Médico Veterinário no NASF, fortalecendo o reconhecimento da profissão na área da saúde. Diversos seminários, fóruns e participações em eventos, além de elaboração de artigos e pareceres na rotina da CNSPV, têm contribuído para este reconhecimento.

Assessoria de Comunicação do CFMV

Denúncias ao CRMV-PE agora podem ser feitas via whastapp

A partir de agora o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE) passa a contar um canal exclusivo no whatsapp para recebimento de denúncias ligadas ao trabalho de fiscalização do Conselho. A nova ferramenta visa dar aos cidadãos e também aos profissionais a oportunidade de informar com mais facilidade e rapidez ao CRMV-PE sobre irregularidades cometidas por médicos veterinários, zootecnistas e estabelecimentos ligados ao setor.

O canal funciona de segunda a quinta-feira, das 8h às 17h, e nas sextas das 8h às 14h, pelo número 81. 99649.1499, que é exclusivo para o recebimento de mensagens! Todas as denúncias enviadas devem seguir acompanhadas das provas necessárias (fotos e vídeos, por exemplo) para abertura do processo de investigação. E o denunciante pode ou não se identificar.

“A ideia do sistema, já que vários outros conselhos regionais estão adotando a modalidade, é oferecer mais uma forma de comunicação direta para o público, aproveitando os recursos tecnológicos existentes, diminuindo a burocracia e facilitando o acesso dos profissionais e cidadãos ao serviço de fiscalização do CRMV-PE. A medida visa estreitar relações e multiplicar nossos olhos e ouvidos sobre ações e condutas irregulares. Isso é de suma importância para todos, ganha a classe e ganha a sociedade”, explica o presidente do CRMV-PE, Marcelo Teixeira.

Atenção!!!

Denúncias de exercício irregular da profissão não serão recebidas pelo whatsapp, devendo ser protocoladas presencialmente conforme prevê a Resolução CFMV nº 875/2007 (https://bit.ly/2VJWz24).

 

Manual para Vigilância e Controle de Leishmanioses nas Américas

A Organização Pan-americana da Saúde (OPAS) lançou, no mês de março, o Manual de Procedimentos para Vigilância e Controle de Leishmaniose nas Américas. Com o objetivo de ser um instrumento de apoio às áreas que trabalham com a doença nos países endêmicos, a publicação é resultado de um trabalho da OPAS em conjunto com especialistas e representantes dos Ministérios da Saúde nos diversos países.

A ideia é que os profissionais utilizem o Manual como ferramenta de trabalho para ampliar o conhecimento sobre a doença. O documento também é uma base de apoio aos Programas Nacionais de Controle da Leishmaniose e as Áreas de Vigilância em seus respectivos processos de estruturação de serviços de saúde.

A publicação, escrita em espanhol, tem 166 páginas e apresenta um compilado completo da doença, com temas que vão desde Epidemiologia, Imunopatogenia, Manifestações Clínicas, até Tratamento.

A Organização Pan-americana da Saúde lançou também outra fonte de consulta sobre a doença: “Leishmanioses: Informe Epidemiológico nas Américas” (em português).

Nele é possível entender a evolução da doença ao longo dos anos (até 2017), com gráficos comparativos e imagens, e também ver os últimos dados sobre as ações estratégicas de combate à doença.

Tire duas dúvidas, sobre  a Leishmaniose Visceral Canina (LVC), aqui.

Leia também:

CFMV defende o cumprimento de portaria interministerial que normatiza o tratamento da leishmaniose

Prevenção ainda é a melhor forma de conter a leishmaniose

 

Assessoria do CFMV

Sucesso na ação de capacitação profissional realizada em Salgueiro

Os cursos gratuitos de capacitação profissional promovidos pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE) em Salgueiro, no Sertão pernambucano, mais uma vez foram um sucesso, reunindo profissionais e estudantes de medicina veterinária e zootecnia da região e arredores.

A tesoureira do CRMV-PE, a Dra. Mirian de Fátima Magalhães Torres, revela que a ideia da instituição é manter a frequência dos eventos no interior do Estado, atendendo assim aos pedidos da classe. Ela ressalta que sempre que realizados, os eventos itinerantes são abraçados pelos municípios participantes. Os profissionais também elogiam bastante a ação, ressaltando os benefícios da descentralização das atividades do Conselho e a importância da itinerância, pois é isso que proporciona um envolvimento e alcance cada vez maior de profissionais.

Para saber mais sobre os assuntos abordados na programação dos cursos, classificado pelos participantes como muito produtivo, clique aqui.

Confira as fotos:

Nota de pesar

Informamos, com profunda consternação, o falecimento do grande colega e professor Silvio Camerino Paes Barreto, um ícone da Medicina Veterinária de Pernambuco. Durante sua marcante trajetória, o médico veterinário contribuiu muito com o crescimento da classe e com a formação de várias gerações de profissionais. Sabemos que sua ausência deixará uma lacuna enorme entre os familiares, amigos e colegas de profissão.

Na convicção plena de que Silvio Camerino cumpriu com amor e competência sua missão aqui na Terra, o CRMV-PE manifesta sua solidariedade aos familiares e sua grande admiração ao colega que parte para a eternidade.

O velório será realizado na Capela do Cemitério de Santo Amaro, hoje (quarta-feira, 3), às 14h. O sepultamento acontece às 16h.