PABX: (81) 3797.2517 – FAX: (xx81) 3797.2514

EXPEDIENTE:

Seg. a Qui.: 08h às 17h
Sex: 08h às 14h

Presidente do CRMV-PE realiza reunião para debater direitos dos animais e crescimento da classe

Para unir forças e debater ações que priorizem os direitos e bem-estar dos animais, além do crescimento da classe veterinária e zootecnista, o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE), Marcelo Teixeira, recebeu na tarde da última quarta-feira (22) a vereadora Goretti Queiroz, com sua assessora, e representantes da Associação de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais, da ONG Anjos do Poço e também da Secretaria Executiva dos Direitos dos Animais (SEDA) para uma reunião privada.

Além do debate sobre medidas em prol dos pets, a conversa ainda promoveu uma troca de experiências entre os dirigentes, com o levantamento de problemas e indicação de soluções. Um deles diz respeito ao Hospital Veterinário do Recife, uma instituição pública de saúde controlada pela SEDA que está constantemente realizando mutirões gratuitos de castração de animais, algo que beneficia amplamente toda a população.

Para potencializar esses benefícios, o presidente Marcelo Teixeira sugeriu que o órgão estudasse a possibilidade da castração ser realizada a partir de uma triagem dos tutores interessados, tendo a condição financeira como critério para o agendamento. Uma medida que priorizaria o atendimento da parte mais carente da população.

“Essa é uma forma de evitar que pessoas com boas condições financeiras utilizem um serviço público, que deve ter como prioridade a população de baixa renda. Quem tem condição, pode recorrer à rede particular, mas para uma grande parcela da população as clínicas privadas não são uma opção. Sem a triagem, casos urgentes podem ir para o final da fila ou levar muito tempo até o atendimento. E nem sempre o animal pode esperar”, afirma o presidente.

A sugestão terá sua viabilidade analisada pelos órgãos competentes.

“A questão é: tem sim que existir o serviço gratuito. A população precisa disso. Mas é necessário colocar limites para que o atendimento chegue exatamente em quem mais precisa”, completa.