PABX: (81) 3797.2517 – FAX: (xx81) 3797.2514

EXPEDIENTE:

Seg. a Qui.: 09h às 16h
Sex: 09h às 14h

Nota de repúdio à Portaria 2117 do Ministério da Educação

O Conselho Regional de Medicina Veterinária de Pernambuco (CRMV-PE), em nome dos seus dirigentes e das classes profissionais que representa – Medicina Veterinária e Zootecnia –, vem manifestar publicamente o seu repúdio à Portaria 2117 do Ministério da Educação (MEC), publicada em 6 de dezembro de 2019, que permite que os cursos presenciais tenham até 40% das aulas realizadas na modalidade EAD, de Ensino a Distância.

Como se não bastasse a situação precária do ensino no Brasil, com abertura indiscriminada de novos cursos de nível superior, muitos sem a mínima condição de oferecer um ensino digno, nos deparamos agora com o ensino a distância. É fato que as novas tecnologias tornaram as distâncias menores, permitindo a troca de informações em tempo real, porém o ensino a distância não pode ser utilizado de forma indiscriminada, desrespeitando princípios básicos do aprendizado. A presença do professor, o contato com o objeto de estudo e o desenvolvimento de habilidades são premissas extremamente importantes para serem desprezadas.

Em especial para os cursos da área de saúde, onde o contato direto com pacientes (humanos ou animais), a vivência in loco com situações reais e o treinamento nas mais diversas disciplinas fornecem a base para a formação de um profissional confiante e capacitado.

Nesse contexto, a Medicina Veterinária, que é um dos alicerces da saúde única (a que envolve a saúde humana, animal e ambiental), sofre um enorme golpe na capacidade de formar bons profissionais. O Médico Veterinário tem uma forte ligação com a saúde pública, pois realiza o combate às zoonoses, fiscaliza a qualidade dos alimentos de origem animal, faz a vigilância sanitária, entre outras atividades que protegem a saúde dos cidadãos, sendo assim, é inadmissível que seja realizado o preenchimento de carga horária através do ensino a distância.

O uso de carga horária EAD nos cursos de graduação presencial, principalmente, na área de saúde, sendo este instituído através de ato administrativo, impedindo um debate aprofundado com a sociedade e com a comunidade acadêmica, poderá trazer prejuízos incalculáveis ao ensino. Salientamos, ainda, a caracterização de possíveis elementos de ilegalidade e de inconstitucionalidade.

Em razão do exposto acima, conclamamos toda a sociedade e instituições para, juntos, rechaçarmos a liberação do EAD nos cursos da área de saúde no nosso País.

 

Recife, 12 de dezembro de 2019.

Marcelo Weinstein Teixeira

Presidente do CRMV/PE

CRMV/PE nº 1874